História 2016 / 2017

2017

É preciso recuar 17 anos para encontrar crescimentos semelhantes ao registado pela economia portuguesa em 2017. O Produto Interno Bruto

(PIB) cresceu em 2017 2,7%, o maior valor registado desde 2000, que foi de 3,8%, superior em 1,1 pontos percentuais, ao verificado no ano anterior. Em termos nominais, atingiu 193 mil milhões de euros, refere o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que aponta o contributo do aumento da procura interna. Este crescimento influenciou particularmente alguns sectores, nomeadamente a hotelaria, que muito têm beneficiado de um aumento significativo do Turismo: os hotéis portugueses atingiram 71% de taxa de ocupação média do ano, mais três pontos percentuais face a 2016.

Portugal está na moda não só para os estrangeiros mas também para os residentes, que estão a regressar a patamares de consumo anteriores ao início da crise. Nos nossos restaurantes, onde todos os dias muitos portugueses nos brindam com a sua escolha, voltamos a ver o mesmo número de clientes, cada vez mais exigentes quer com o produto, atendimento, limpeza e ambiente geral do restaurante. São cada vez mais aqueles que partilham a experiência vivida, sob a forma de comentários ou de imagens, através das redes sociais, que se tornaram um aliado para a divulgação dos nossos produtos.

Esta é também uma forma de aferir a satisfação dos nossos clientes, que valorizam uma experiência global, mas que continuarão a estar focados no “good value for money”.

Na Península Ibérica manteve-se a dinâmica de crescimento muito favorável o que impactou os resultados do Grupo. Porém, em Angola verificou-se uma inversão da tendência de crescimento, a partir do segundo trimestre.

A aquisição do Grupo Eat Out contribuiu para um maior volume de prestação de serviços tendo todos os segmentos apresentado uma evolução positiva, com crescimentos acima do mercado, com especial destaque para os “Balcões”.

Os negócios agrupados em “Catering e Concessões” com o melhor desempenho relativo, beneficiaram da realização de um elevado número de eventos de grandes dimensões e do aumento do tráfego verificado nos espaços concessionados, nomeadamente nos aeroportos em que operamos.

O quarto trimestre consolidou a tendência de crescimento das vendas, sendo que, em Portugal, importa salientar que no primeiro semestre verificou-se ainda um impacto sobre as vendas consolidadas do semestre, que estimamos ter sido de cerca de 4,5% por efeito da redução da taxa de IVA que ocorreu em 2016.

De realçar a continuidade do plano de remodelações e aberturas, transversal às principais marcas do Grupo.

No que se refere ao Grupo Eat Out de salientar a concretização dos projetos para a abertura de uma nova unidade no Aeroporto de Madrid, a participação no concurso do Aeroporto de Barcelona, as 5 unidades de um lote atribuído na sequência do concurso aberto para a concessão de restauração no aeroporto de Gran Canaria e os trabalhos preparatórios desenvolvidos para os concursos de Barcelona e Málaga.

Em Angola, a evolução dos negócios continuou muito ligada à evolução do preço do barril de petróleo e o seu impacto na atividade económica, num cenário de eleições que determinaram a substituição do Presidente Eduardo dos Santos. Durante o exercício a inflação atingiu valores muito elevados o que acarretou uma significativa quebra do consumo porque os rendimentos não evoluíram positivamente, não tendo ocorrido a esperada desvalorização do kwanza. De qualquer forma iniciou-se um novo ciclo após as eleições de Agosto passado em que o governo deu sinais de uma estratégia de reforço da produção nacional de bens, redução das importações e da dependência do petróleo, de criação das condições para o aumento do investimento estrangeiro e de “ compliance” e regresso aos mercados internacionais.

2016

O Instituto Nacional de Estatística divulgou em Fevereiro a sua estimativa para o ano 2016, que projetava um crescimento da economia portuguesa de 1,4%, atribuindo a aceleração do PIB verificada no último trimestre ao aumento do contributo da procura interna, resultante de uma recuperação do investimento e do crescimento mais intenso do consumo privado.

Consolidou-se assim a tendência positiva que impactou a performance do Grupo Ibersol, já que o consumo privado se acentuou num trimestre por natureza muito importante para a Restauração Moderna.

Neste contexto, o Grupo Ibersol continuou a evidenciar uma recuperação assinalável face aos anos da intervenção externa, evolução que foi de algum modo prejudicada pelo efeito da conversão cambial das vendas em Angola, em consequência da desvalorização da moeda local. Por outro lado, em Julho entrou em vigor a aplicação da taxa intermédia de IVA de 13% sobre as comidas, o que possibilitou algum amortecimento do impacto da subida do imposto, ocorrida em 2012.

O ano de 2016 fica também marcado pela transformação e evolução de marcas do grupo, pelas aberturas e remodelações realizadas e pela prossecução da estratégia de expansão seletiva com especial incidência para as marcas Pizza Hut e Burger King.

O ano de 2016 veio demonstrar as múltiplas dimensões da capacidade de gestão, inovação e sustentabilidade do Grupo.

Exemplo desta dimensão de gestão destaca-se a inauguração de 12 novos restaurantes Burger King que confirmam a liderança do Grupo Ibersol na implementação da marca em Portugal e na  presença em Angola, onde o Grupo se afirmou como o principal player da categoria de Restauração Moderna reforçando a presença da  marca KFC, com mais 2 restaurantes para além de um restaurante Pizza Hut.

Durante o exercício, o Grupo teve oportunidade de reforçar a sua presença no mercado espanhol através da compra de 100% do capital da Eat Out Group em Outubro 2016.

O Eat Out Group é um dos mais importantes grupos de restauração em Espanha, com mais de 25 anos de história e com presença geográfica em Espanha, Itália e Portugal e operando no negócio de restauração com as marcas Pans & Company, Ribs, Santa Maria e Frescco, e no negócio de Travel, com aquelas e outras 13, como franquiado, em 6 aeroportos e 3 estações de comboio.

Com esta aquisição, o Grupo Ibersol converteu-se num dos mais importantes grupos de restauração da Península Ibérica: 667 restaurantes e vendas anualizadas do sistema de mais de 478 milhões de euros reportados a 2016.

Como fundamentos de uma operação robusta ao serviço dos seus clientes, o Grupo continua a dar especial destaque às vertentes da Qualidade e Segurança Alimentar, traduzida na certificação da sua actividade, alicerçada num trabalho constante e na persistência que o Grupo coloca nas suas operações, no sentido de garantir aos seus Clientes elevados padrões, que se refletem no reconhecimento e aceitação das suas marcas e nos milhões de refeições servidas anualmente.